Orfa-2-banner
Foto Divulgação: Orfã 2: A Origem

Órfã 2: A Origem: Uma Prequela Inconcebível e Tardia – Crítica

Apesar de mais ambiciosa que o primeiro longa, a sequência “Órfã” abusa da suspensão da descrença para criar uma estranha atmosfera de suspense.

 

É verdade que certos eventos são quase impossíveis de prever. O facto de, apesar da acolhida morna das críticas e de várias reclamações de pais e organizações de adoção, o filme “A Órfã”, lançado em 2009, de Jaume Collet-Serra, ao longo do tempo, ter sido promovido a “cult” devido ao famoso boca a boca que se originou pelo seu plot twist fantástico. Portanto, era de se supor que mais cedo ou mais tarde haveria um novo capítulo da obra. Assim, treze anos após seu lançamento, começa a prequela “Orphan 2: A Origem”, dirigida por William Brent Bell.

 

Na série, Leena Klammer (Isabelle Fuhrman), uma criminosa de 31 anos que sofre de hipopituitarismo, um raro distúrbio hormonal que afeta o crescimento, foge de uma clínica psiquiátrica na Estônia e vai para os Estados Unidos disfarçada de ela é. Sua filha está desaparecida há nove anos de uma família rica. No entanto, a nova vida de Leena como Esther é posta em risco quando ela lentamente descobre que, como ela, a matriarca Tricia Albright (Julia Stiles), está escondendo um segredo.

esther-orfa-2
Foto Divulgação.: Esther / Órfã 2: A Origem

Reprisando seu icônico papel como Esther, Fuhrman, agora com vinte e cinco anos, teve que dar vida a uma nova versão do personagem que interpretou originalmente aos doze anos, algo que cria estranheza sem os esforços de direção e produção para criá-lo. uma proposta menos crível. Entre os artefatos utilizados estão dublê de corpo infantil ao longe e ao fundo, ângulos de câmera com perspectiva forçada, sapatos plataforma usados ​​pelo elenco coadjuvante e cenários criados para parecer maiores. No entanto, o trabalho é tão brega e artificial que às vezes beira os quadrinhos, embora na maioria das vezes pareça se levar mais a sério do que deveria.

Veja mais:  Coringa 2: Margot Robbie comenta sobre Lady Gaga como Arlequina

 

Ainda neste papel, Isabelle Fuhrman parece continuar curvando os ombros enquanto tenta de todas as formas repetir os maneirismos de sua vilã desde o início. Apesar disso, o intérprete de Esther consegue evocar um alto nível de tristeza escondido sob um exterior inofensivo. No entanto, o texto de David Coggeshall (da série “Lore”) parece ignorar as características mais notáveis ​​do antagonista: eloquência e manipulação. Em vez disso, o roteirista dedica esforços para atribuir nuances que expandem a percepção do público sobre as ações e os motivos do personagem, preparando o lugar para uma nova reviravolta.

 

Se o primeiro filme teve um forte conteúdo xenófobo, “Orphan 2: Origens” inverte completamente esse conceito em favor de uma narrativa inesperada, embora, ironicamente, já saibamos seu desfecho, pois é um prelúdio para mais da história. do que uma década. Infelizmente, por mais bem-intencionado que seja, o enredo carece de profundidade e desenvolvimento de personagens, especialmente o núcleo da família Albright, cujas ações muitas vezes parecem bobas e desnecessárias.

esther-orfa-2-foto2
Foto Divulgação.: Órfã 2: A Origem / Esther

Quase tão estúpida quanto sua família de faz de conta, Leena, que agora adotou o nome de Esther, não é nem de longe uma pessoa ingênua que pode argumentar facilmente, e isso é muito frustrante, ainda mais quando vemos o quadro geral. que pode ser desperdiçado. Não é que seja uma má ideia explorar novos aspectos de um adulto preso no corpo de uma criança, muito pelo contrário, mas ao fazê-lo de forma moralista, perde-se parte do que torna o personagem tão único. Afinal, em uma sociedade que vive de aparências, Esther, sempre desprezada, sabe melhor do que ninguém como enganar as pessoas com suas falsas ideias, explorando tanto seus medos quanto seus desejos mais íntimos. Portanto, acaba soando hipócrita lançá-lo como agente moral, já que ele mesmo reconhece e se aproveita do fato de que o próprio mundo é “amoral”.

Veja mais:  Besouro Azul: Celebração da Representatividade Latina em Hollywood

 

Órfã 2: A Origem não é uma total tragédia, mas tal final não salva a obra de suas muitas armadilhas que obrigam o espectador a fazer uma pausa incrédula para revelar as dimensões absurdas da trama. Honestamente, é difícil prever se os fãs do original aceitarão essa introdução tardia. No entanto, com um intervalo de mais de uma década entre os filmes, é crível que o sabor nostálgico torne a experiência mais palatável. Para quem nunca interagiu com a franquia, vale a pena como um estudo de personagem mal executado, mas poderoso e conhecedor do futuro.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO PARA SABERMOS O QUE VOCÊ ACHOU DA PUBLICAÇÃO

Sobre o Author

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *